Coronavírus: quais cuidados tomar com os idosos na sua ILPI?

O novo coronavírus, classificado como uma pandemia pela Organização Mundial de Saúde (OMS), pode ser letal para idosos. Saiba quais cuidados tomar com os residentes e funcionários da sua Instituição de Longa Permanência.

Equipe Gero360 em 03/13/2020

coronavírus

O número crescente de brasileiros diagnosticados com a Covid-19, doença infecciosa da família de vírus chamada de coronavírus, chama atenção para a necessidade de cuidado e orientações para prevenção, principalmente entre a população idosa e portadores de doenças crônicas, que estão mais suscetíveis ao desenvolvimento de complicações.

O novo coronavírus foi classificado como uma pandemia pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e pode ser transmitido pelo ar – por meio de gotículas de saliva, espirro e tosse, pelo contato entre pessoas e pelo contato com superfícies contaminadas. No Brasil, até o dia 12 de março, foram confirmados 77 casos de coronavírus. A capacidade de contágio do novo coronavírus é de 2,74, ou seja, uma pessoa doente transmite o vírus, em média, a outras 2,74 pessoas. De acordo com a Sociedade Brasileira de Infectologia, comparativamente, a pandemia de influenza H1N1 teve uma taxa de 1,5, enquanto, no sarampo, é em torno de 15. Por isso, as medidas preventivas para evitar o contágio do novo coronavírus são fundamentais.

Por que os idosos são mais vulneráveis?

De acordo com relatórios OMS e do Ministério da Saúde, o novo coronavírus chega a ser quase sete vezes mais letal em quem tem mais de 80 anos. Essa população tem os maiores índices de letalidade quando atingida pelo vírus. Normalmente, os idosos são mais vulneráveis a doenças infectocontagiosas por uma série de fatores, entre eles:

  • Com o avançar da idade, o sistema imunológico dos idosos pode ser deficiente;
  • Os pulmões e mucosas do idoso tornam-se mais frágeis e vulneráveis a doenças virais;
  • O idoso circula por hospitais com mais frequência, ficando exposto a micro-organismos;
  • Além disso, o idoso se engasga e aspira com mais frequência, levando a mão à boca e aumentando o risco de contágio.

Quais cuidados devo tomar com os residentes do meu residencial ou ILPI?

Para se proteger, grande parte das recomendações para os idosos são as mesmas do restante da população: lavar as mãos com água e sabão ou higienizar com álcool em gel frequentemente; tossir ou espirrar levando o rosto à parte interna do cotovelo; evitar multidões e tocar nariz, olhos e boca; utilizar lenço descartável quando estiver com o nariz escorrendo.

 

No entanto, a prevenção e o controle de infecções precisam ser reforçados em Instituições de Longa Permanência, residenciais sênior e casas de repouso. Confira as recomendações a serem adotadas nesses locais, divulgadas pela Secretaria de Saúde:

  1. Divulgar e reforçar medidas de higiene das mãos – com preparação alcoólica ou água e sabonete líquido (ou espuma) – para funcionários, visitantes e residentes;
  2. Disponibilizar dispensadores com preparação alcoólica nos principais pontos de assistência e circulação;
  3. Divulgar e reforçar a etiqueta respiratória – se tossir ou espirrar, cobrir o nariz e a boca com cotovelo flexionado ou lenço de papel – para funcionários, visitantes e residentes, bem como evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não higienizadas;
  4. Sempre que possível, manter os ambientes ventilados naturalmente (portas e/ou janelas abertas);
  5. Reforçar os procedimentos de higiene e desinfecção de utensílios, equipamentos e ambientes de convivência;
  6. Atualizar a situação vacinal para influenza e doença pneumocócica conforme indicação, para residentes e funcionários;
  7. Restringir o uso de utensílios compartilhados como: copos, xícaras, garrafas de água, etc;
  8. Evitar o acesso de funcionários com sintomas respiratórios;
  9. Restringir o acesso de visitantes com febre e sintomas respiratórios ou com diagnóstico de Influenza ou Covid-19.

É muito importante reforçar o cuidado com visitantes, evitando o contato dos idosos com familiares e outras pessoas que apresentem qualquer sintoma viral (tosse, febre, coriza nasal, prostração). Para aqueles que se encontram assintomáticos, a higiene das mãos com água e sabão ou álcool em gel segue como medida principal.

Buscar informações em fontes confiáveis facilita a implementação das ações corretas na sua instituição, ou até no ambiente doméstico, caso você possua algum idoso no núcleo familiar. Divulgar informações verídicas e oficiais também é fundamental para a conscientização e evitar o pânico dos indivíduos.

Com o respaldo técnico e sob a orientação do Dr. Virgilio Moreira (Médico, Geriatra, Mestre e Doutor em Ciências Médicas com foco na área do envelhecimento humano), a Gero360 apresenta soluções para a eficácia e segurança no cuidado de idosos. Desenvolvemos produtos voltados para o gerenciamento de ILPI’s e para o cuidado familiar. Clique aqui e saiba mais.

Fontes:

Secretaria de Saúde do Rio Grande do Sul