O idoso no Brasil: entenda o envelhecimento hoje no país

Como é o perfil do idoso no Brasil? Oportunidades e desafios surgem com a nova dinâmica da população brasileira. Confira mais no nosso texto.

Equipe Gero360 em 11/22/2019

idoso no brasil

O que é ser idoso no Brasil? Quais são as transformações, demandas e dificuldades do envelhecimento no país? 

A Gero360 participou do GeriatRio 2019 – X Congresso de Geriatria e Gerontologia do Estado do Rio de Janeiro, que teve como pauta “O envelhecimento hoje e amanhã: a sociedade em transformação”. O evento foi uma oportunidade para discutir, junto com acadêmicos e especialistas do segmento, o novo cenário brasileiro e as transformações e desafios para lidar com o envelhecimento no Brasil. No post de hoje, convidamos você, leitor, a uma reflexão sobre o tema. 

Para ilustrar este fenômeno, dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram que a população será composta por cerca de 30% de pessoas com mais de 60 anos até 2030. No mundo, esta parcela da população corresponde a 9,2% de acordo com relatório publicado em junho/19 pela Divisão de População das Nações Unidas. 

Inegavelmente, oportunidades e desafios surgem com a nova dinâmica da população brasileira, que passou por uma mudança significativa nas últimas décadas. O envelhecimento da população é resultado de avanços significativos no desenvolvimento do país, como o aumento da expectativa de vida, mudanças de hábito da sociedade, políticas de amparo à população idosa, entre outros. 

Direitos e deveres

Contudo, um longo caminho ainda deve ser percorrido para a promoção da qualidade de vida e para o bem-estar dessa parcela da população. De tal forma que o Brasil ainda enfrenta desafios como a falta de preparo para a inclusão da população idosa nas diferentes esferas da sociedade e para o cumprimento e execução dos direitos desse indivíduo.

Com o intuito de instituir uma política nacional para a população +60, o Estatuto do Idoso (2003) prevê os direitos e deveres relativos ao idoso. A Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia explica que este estatuto foi criado para tratar questões fundamentais, como “garantias prioritárias aos idosos, até aspectos relativos a transporte, passando pelos direitos à liberdade, à respeitabilidade e à vida, além de especificar as funções das entidades de atendimento à categoria, discorrer sobre as questões de educação, cultura, esporte e lazer, dos direitos à saúde através do SUS, da garantia ao alimento, da profissionalização e do trabalho, da previdência social, dos crimes contra eles e da habitação, tanto em ações por parte do Estado, como da sociedade”. 

No entanto, ainda existe uma grande necessidade de investir na execução desses fatores, que deixam a desejar em diferentes esferas da sociedade. Soma-se a isto a percepção de que políticas públicas voltadas para esta população foram elaboradas em um contexto que não corresponde mais à realidade de grande parte dos idosos brasileiros. 

O novo perfil de idoso no Brasil

Nesse sentido, o idoso brasileiro ainda é associado à inatividade e aposentadoria de forma equivocada. Embora este indivíduo necessite de uma rede de assistência, cuidados e políticas próprias, existe uma transição da atuação do idoso na sociedade brasileira. Hoje, muitos idosos trabalham ou estão disponíveis para serem reinseridos no mercado de trabalho, mantém uma vida social ativa, se relacionam, consomem, viajam, etc. 

Um recorte sobre a tecnologia mostra que os idosos estão cada vez mais conectados e interagindo socialmente nos meios digitais. Por exemplo, segundo pesquisa da PNAD Contínua, eles formam o grupo que mais cresce entre usuários da internet no Brasil – um em cada quatro brasileiros acima dos 60 anos já está na internet. O mesmo se aplica ao Facebook, de acordo com um levantamento da consultoria Senior Lab. Não apenas para conexão social, este grupo utiliza a internet para aprender novas atividades, fazer serviços bancários, comprar online, acompanhar notícias, jogar. 

Além disso, uma pesquisa feita pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) mostra que o poder de consumo da população de +50 no Brasil equivale a R$ 1,6 trilhão por ano. Ainda que direcione seus gastos com o cuidado da saúde e medicamentos, esta parcela da população também direciona seus gastos para o uso do cartão de crédito, compra de automóveis, perfumaria e cosméticos, higiene pessoal, roupas e acessórios.

É preciso promover…

Em resumo, estes são alguns dos dados que expõem a necessidade de transformações concretas na forma como governo, instituições e sociedade lidam com o idoso e com o envelhecimento no Brasil. Além de promover uma rede de assistência à pessoa idosa, é preciso estimular a capacitação de profissionais voltados para as demandas dessa parcela da população, a inserção do idoso nas diferentes esferas e a promoção de políticas de inclusão social, acesso a saúde e educação. 

Nós, da Gero360, estamos sempre em busca de conhecimento para desenvolver soluções que estimulem o bem-estar e a qualidade de vida dos indivíduos. Queremos inspirar indivíduos, estimular comportamentos e relacionamentos voltados para o cuidar de si e para o cuidar do outro com simplicidade, dedicação e amor. Conheça mais sobre o nosso trabalho aqui. 

Fontes

Geriatrio 2019 – http://www.geriatrio2019.com.br/o-evento/ 

Infoescola – O Envelhecimento da População Brasileira – https://www.infoescola.com/geografia/envelhecimento-da-populacao-brasileira/ 

O que é o Estatuto do Idoso? – Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia – https://sbgg.org.br/o-que-e-o-estatuto-do-idoso/