Vacinas e outras medidas de prevenção à saúde do idoso

O Ministério da Saúde está antecipando a Campanha Nacional de Vacinação contra a gripe para a primeira quinzena de abril (de 10 de abril a 31 de maio). Fique atento às datas de imunização no seu Estado.

Ana Paula em 03/29/2019

Mulher, maior de 60 anos, tomando vacinas

A chegada o outono aumenta a incidência dos casos de gripe e pneumonia. Em 2019, a Campanha Nacional de Vacinação contra a gripe vai começar cerca de 15 dias mais cedo que nos anos anteriores. Idosos, gestantes e crianças fazem parte do grupo considerado prioritário para a imunização com as vacinas.

Apesar da campanha e da indicação de que os idosos fazem parte do grupo prioritário para a vacina, muitas famílias ainda tem dúvidas relacionadas ao tema. Fizemos uma pesquisa para ajudar a esclarecer dúvidas como as duas que listamos abaixo.  

“Devo vacinar meu familiar idoso contra a gripe?”

“Quais as contraindicações da vacina da gripe para o idoso?”

Segundo a Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), de modo geral, todas as vacinas podem ser aplicadas nos idosos. No entanto, as vacinas compostas de vírus vivos atenuados requerem precauções especiais. São elas: sarampo; caxumba; rubéola; varicela e febre amarela.

No caso da gripe, ou influenza, trata-se de vacina inativada. Logo, a vacina não tem como causar a doença. A vacinação é a medida mais eficaz previnir e reduzir os riscos associados à esta doença.

Idoso gripado, precisando de vacinas

 

Estimativas oficiais indicam que a gripe causada pelo vírus influenza atinja, anualmente, entre 5% e10% dos adultos e entre 20% e 30% das crianças em todo o mundo. A infecção pode acarretar hospitalização e morte, principalmente entre os grupos de maior risco (os muito jovens, idosos ou doentes crônicos).

Proteção e eficácia da vacina
  • Em idosos, estima-se que a prevenção de doença respiratória aguda seja de – aproximadamente – 60%
  • Entretanto, os principais benefícios desta vacina para o idoso estão relacionados à prevenção da pneumonia viral primária ou bacteriana secundária; da hospitalização e da morte. Estes benefícios são ainda mais relevantes para idosos com doenças crônicas cardiovasculares e pulmonares

Indicação, dosagem e aplicação simultânea com outras vacinas
  • Nos indivíduos maiores de 60 anos, deve ser aplicada anualmente. Se possível, antes do início do outono
  • As pessoas que convivem com idosos e/ou cuidadores também devem ser vacinadas
  • A dose é única
  • Pode ser administrada simultaneamente com outras vacinas ou medicamentos

Contraindicações e precauções 
Quem não deve ser vacinado?
  • Indivíduos com história de reação anafilática prévia ou alergia grave relacionada ao ovo de galinha e seus derivados, assim como a qualquer componente da vacina

  • Indivíduos com história pregressa de reação à dose anterior

Quando adiar a vacinação?
  • Na presença de doença febril aguda moderada ou grave

  • Para pacientes com trombocitopenia ou qualquer distúrbio de coagulação: risco de sangramento pela via de administração da vacina (intramuscular)

  • Nesses casos, a via subcutânea deve ser considerada

Importante: Pessoas com história prévia de síndrome de Guillain-Barré (SGB) devem passar por avaliação médica criteriosa sobre o risco-benefício de administrar a vacina.
 

Vale ressaltar que cabe ao médico – que assiste o idoso – identificar quais vacinas devem ser indicadas e orientar o mesmo e sua família em relação a este assunto. Esta orientação faz parte do foco em minimizar o risco de doenças e/ou de incapacidades funcionais, zelando pelo seu envelhecimento bem-sucedido.

Quando se trata de envelhecimento bem-sucedido, é preciso ter em mente duas palavras muito importantes: manutenção e prevenção. Isto é: é preciso manter os aspectos positivos de saúde e de funcionalidade e prevenir os aspectos negativos. Manter o calendário de vacinas em dia faz parte das medidas de prevenção.

Adicionalmente, vale ressaltar que, com o avanço da idade, torna-se mais comum o surgimento de algumas doenças crônicas. Este é outro motivo para reforçar a importância da prevenção e de um plano de cuidados criterioso.

Para ler mais sobre como cuidar do idoso portador de doenças crônicas, clique aqui.

Para organizar seu plano de cuidados e ter todas as informações sempre à mão, clique aqui.