Menu

Saúde mental dos idosos durante a pandemia

A pandemia do coronavírus e o isolamento social trouxeram impactos para a saúde mental da população idosa. Confira mais informações no texto.

Equipe Gero360 em 21/01/2021

Saúde mental dos idosos durante a pandemia

A pandemia do coronavírus e o isolamento social trouxeram impactos para a saúde mental e física da população, principalmente dos idosos e de pessoas que se enquadram nos grupos de risco. De tal forma que a solidão causada pelo distanciamento, somada à incerteza em relação aos riscos da doença COVID-19 e à vulnerabilidade do indivíduo, fizeram com que os casos de depressão e ansiedade disparassem entre esta parcela da população.

Anualmente, no Brasil, o mês de janeiro é dedicado à conscientização sobre a saúde mental. Denominada “Todo Cuidado Conta”, a campanha de conscientização deste ano chama a atenção para os impactos da pandemia. Por isso, no post de hoje, falaremos sobre como o cenário atual afetou a saúde mental do idoso e como podemos amenizar seus impactos para promover o bem-estar do indivíduo 60+.

O fenômeno de envelhecimento da população brasileira traz destaque para a necessidade de atenção especial ao tratamento dos idosos nos serviços de saúde e ações específicas para promover a qualidade de vida e o envelhecimento saudável. Sem dúvida, com a pandemia, essa necessidade torna-se ainda mais evidente.

Pesquisadores do Instituto de Psicologia da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) entrevistaram 1.460 pessoas em 23 estados e todas as regiões do Brasil. Os resultados da pesquisa indicam que os casos de depressão praticamente dobraram durante o isolamento, enquanto as ocorrências de ansiedade e estresse tiveram um aumento de 80% nesse período.

Assim, ao fazermos o recorte para a saúde mental dos idosos, a falta de contato físico e proximidade com a família e a privação da liberdade intensificaram o desenvolvimento de doenças que impactam psicologicamente esta população que ocupa uma parcela tão relevante no nosso país.

Sintomas e sinais

Conforme pontuado por Liliane Rapozo, neuropsicóloga da Geriatre, “uma das tarefas dos profissionais que atuam com a saúde mental, sobretudo de pessoas idosas, é saber diferenciar as queixas relacionadas com a memória no processo envelhecimento normal das queixas relacionadas às possíveis patologias”.

É importante ressaltar que manifestações atípicas no comportamento do idoso, principalmente as que trazem alterações funcionais e sofrimento emocional, são merecedoras de atenção e avaliação. Nesse sentido, listamos abaixo alguns sinais que podem indicar alterações na saúde mental:

  • Sentimentos de tristeza, desânimo, pensamento negativo;
  • Mudanças significativas de comportamento e perda de interesse por atividades que antes eram prazerosas;
  • Insônia ou excesso de sono;
  • Alterações no apetite, com perda ou ganho de peso;
  • Dificuldade maior de concentração, de raciocínio e perda de memória;
  • Pensamento recorrente de morte; manifestação de desejo de morrer e falta de perspectiva.

Recomendações e atividades para diminuir os impactos na saúde mental

1) Empatia: exercitar a empatia é fundamental para promover uma real reflexão sobre o envelhecimento e seus impactos em nossas vidas. No caso da saúde mental dos idosos, se colocar na situação do indivíduo e entender como os impactos deste contexto; se aproximar do idoso e incentivar o diálogo; compreender os medos e avaliar como eles podem ser minimizados são algumas ações que ajudam no enfrentamento dos impactos psicológicos.

2) Atendimento profissional: caso os sinais persistam, o apoio de um profissional especializado é essencial para definir o melhor tratamento. Dessa forma, é possível evitar que os impactos psicológicos no idoso sejam ainda mais nocivos à sua saúde.

3) Vida social: o fortalecimento das redes do idoso é uma fonte importante de apoio, conforme exposto nesta matéria do Estadão. Por isso, é fundamental empregar esforços para amenizar a distância, utilizando ferramentas e ações que promovam o afeto. Além disso, no texto “A vida social dos idosos”, mostramos que relações saudáveis protegem o nosso corpo e o nosso cérebro. Clique aqui e confira.

4) Rotina: para quem lida com o cuidado do idoso, seja em ILPIs ou no cuidado familiar, a rotina faz toda a diferença na manutenção da qualidade de vida do indivíduo. Por isso, manter uma rotina regular e saudável; realizar atividades prazerosas; estimular a manutenção dos laços sociais; acolher e passar segurança são fatores que ajudam a evitar problemas de saúde mental nos idosos.

A Gero360 está sempre em busca de conhecimento para desenvolver soluções para a longevidade, que estimulem o bem-estar dos indivíduos. Nosso propósito é aliar conhecimento e tecnologia para estimular comportamentos voltados para o cuidar com simplicidade, dedicação e amor. Conheça mais sobre o nosso trabalho aqui.

Gostou do nosso texto e quer receber mais informações sobre a gestão do cuidado do idoso? Cadastre-se abaixo na nossa newsletter para receber outros conteúdos.
Fontes: