Como fortalecer a rede de apoio ao idoso institucionalizado?

Entenda como a organização de familiares, amigos e pessoas próximas são fundamentais para garantir o bem-estar do idoso, principalmente durante a pandemia.

Equipe Gero360 em 22/04/2021

O fortalecimento das redes do idoso é uma fonte importante de apoio, principalmente no contexto da pandemia de COVID-19, no qual o idoso está mais vulnerável. A rede de apoio ao idoso é a organização de familiares, amigos e pessoas próximas em prol do bem-estar deste indivíduo. Nesse momento, em que ainda é necessário conter o avanço do vírus com restrições de visitas, é preciso que as redes de apoio se fortaleçam e se façam presentes que outras formas para os idosos institucionalizados.

Por que é importante fortalecer esta rede?

A pandemia trouxe diversos desafios relacionais para a população, entre eles, a necessidade de aprender a lidar com o isolamento social, o sentimento de medo, a perda e as experiências de luto. Neste cenário, a troca de afeto, o encontro e acolhimento parecem ser ainda mais urgentes. Por outro lado, a família, na maioria das vezes, é a principal fonte de vínculos, e é um fator importante para a proteção, afeto, segurança e apoio para os idosos.

Em resumo, essa interação entre o idoso e seu círculo social, mesmo que virtual, dá ao indivíduo parte do suporte necessário para passar pelo período de isolamento social imposto pela pandemia. Por exemplo, o convívio e a troca com familiares e amigos faz com que o idoso não se sinta de lado ou excluído.

No entanto, sabemos que, devido à gravidade da pandemia do coronavírus no Brasil e a vulnerabilidade da população idosa em relação à COVID-19, o isolamento e a restrição dos encontros presenciais devem ser seguidos com rigidez.

Desde o início da pandemia existe a preocupação em relação à proteção dos idosos institucionalizados, em virtude da alta probabilidade de infecção ou óbito das pessoas inseridas nesses ambientes. Normas expedidas pela Secretaria de Atenção Primária à Saúde orientaram a suspensão de visitas de familiares nas ILPIs para reduzir a transmissão da doença. Reforçaram, por outro lado, a possibilidade do contato por telefone ou vídeo chamadas entre idoso e familiares.

No entanto, mesmo com a flexibilização adotada pelos governos nos últimos meses de 2020 e até o avanço da vacinação da população idosa no Brasil, recomenda-se considerar o adiamento ou redução significativa das visitas aos residentes idosos. Por isso, gestores e profissionais buscam estimular a utilização dos contatos virtuais, além da recomendação da não realização de saídas dos idosos para feriados ou datas comemorativas.

Como fortalecer no cenário atual?

Com o propósito de amenizar a distância entre os idosos e entes queridos e fortalecer a rede de apoio, instituições empregam cada vez mais esforços na realização de atividades criativas e sensíveis que aproximam o idoso residente dos seus familiares. Neste cenário, é preciso ressignificar as manifestações de afeto e cuidado.

A manutenção ou extensão da rede de amparo social através das videochamadas ou das ligações telefônicas é de extrema importância para estabelecer um dos elementos mais importantes para o indivíduo: o contato com o outro, a troca, conforme mencionado pelo dr. Virgílio Garcia Moreira, geriatra e sócio da Gero360, no vídeo abaixo.

Como mencionado no trecho do artigo da Larissa Tenfen Silva, Presidente da Comissão da Pessoa Idosa do Instituto Brasileiro de Direito da Família de Santa Catarina, a visita virtual, realizada através de videochamadas e contatos virtual, ainda é a opção mais segura: “possibilidades através de conversas com ou sem imagem, gravações de vídeos, envio de mensagens eletrônicas, tal como envio de canções virtuais, poesias e flores virtuais, mensagens positivas, abraços virtuais, mensagens espirituais, cartas virtuais etc. Estas maneiras podem ser utilizadas para fomentar o espírito natalino e aproximar os residentes e familiares.”

Por outro lado, algumas instituições começaram a verificar a possibilidade prática e real da realização de visitas presenciais de modo seguro para todos os envolvidos (idosos, visitantes e funcionários). Em primeiro lugar, considerando condições essenciais de infraestrutura e recursos humanos, além da orientação dos principais órgãos estaduais e locais. Entre as modalidades de visitas presenciais, estão:

1) Presenciais sem contato físico;

2) Encontro nos portões das ILPI’s;

3) Modalidade “drive thru”;

4) Visitas nas áreas externas protegidos por barreiras físicas (vidros ou grades).

Idosos vacinados já podem receber visitas?

O início da vacinação da população brasileira em janeiro deste ano gerou expectativa para quem não vê a hora de amenizar a saudade dos seus familiares. No entanto, alguns fatores ainda precisam ser levados em consideração antes da retomada das visitas presenciais. Mesmo com as duas doses da vacina aplicadas, os idosos podem não estar com a proteção completa das vacinas e ainda podem transmitir o vírus aos visitantes que não foram imunizados.

“É importante esperar, porém, que grande parte da população tenha sido imunizada antes de voltarmos aos antigos hábitos, para evitar contaminar outras pessoas, já que o indivíduo que tomou a vacina ainda pode transmitir o vírus”, reforça a comunicação do Instituto Butantan.

A Gero360 está sempre em busca de conhecimento para desenvolver soluções para a longevidade, que estimulem o bem-estar dos indivíduos. Nosso propósito é aliar conhecimento e tecnologia para estimular comportamentos voltados para o cuidar com simplicidade, dedicação e amor. Conheça mais sobre o nosso trabalho aqui.